A construção do relacionamento abusivo envolve artimanhas de alienação da vítima e de quem a cerca, a fim de mantê-la na refém

Sumário:

  1. Ciúme Excessivo
  2. Controle
  3. Ausência De Privacidade
  4. Afastamento
  5. Chantagem
  6. Destruição Do Amor Próprio E Da Autoestima
  7. Invalidação De Sentimentos E Pensamentos
  8. Controle Financeiro E Social
  9. Estupro
  10. Ameaças A Vítima E A Família Dela
  11. Violência Física

Já há algum tempo temos falado sobre relacionamento abusivo e como sua dinâmica envolve não só a vítima, mas também a sociedade, o que dificulta muito a vítima tanto de reconhecer como se livrar de um.

Ocorre que durante muito tempo, o casamento era tido como indissolúvel, mesmo que envolvesse violência física, moral, psicológica, porque nem mesmo os amigos e os parentes tendiam a apoiar a vítima.

Primeiro, pela ideia de que a mulher deveria suportar tudo a fim de ser boa esposa, sem que cogitassem que ela pudesse se livrar de um marido abusivo ou mesmo que ele sofresse pressão para mudar.

Segundo, pelo fato de que grande parte dos abusadores é visto socialmente como um cara legal, divertido, boa praça, trabalhador, já que seu comportamento abusivo ocorre entre quatro paredes, geralmente vitimando a esposa, os filhos e mais alguém que porventura venha a viver sob o mesmo teto.

Aos homens de comportamento abusivo, uma péssima notícia.

Mas aos homens que abominam esse tipo de comportamento e que zelam pela real manutenção de uma relação saudável, igualitária e justa, assim como para as vítimas de abusadores, uma ótima notícia saber que cada vez mais vítimas tem se livrado de seus algozes.

Durante muito tempo foi cômodo para os maridos abusadores manterem essa postura, mas agora as coisas estão mudando e as mulheres, que são a grande maioria das vítimas junto aos filhos, tem se encorajado a denunciar e a expor seus algozes.

E a tendência é cada vez mais mulheres se livrarem dessas relações, porque ao passo que veem outras mulheres expondo, elas finalmente percebem que determinadas situações, mesmo quando não envolvem violência física, são abusivas e também porque, ao verem mais pessoas apoiando essas mulheres, elas percebem que não ficarão desamparadas e que terão apoio, mesmo que não de todos.

11 sinais de que uma relação é abusiva

1- Ciúme excessivo

O ciúme sempre foi visto como sinal de amor, o que é um grande equívoco, porque ele tem mais a ver com sentimentos como insegurança, complexo de inferioridade, controle e possessividade e, diante de tudo isso, ele vem como sinal de alerta para relações abusivas.

2- Controle

O abusador cria enredos que disfarçam o controle da vítima de cuidado, de proteção e, com isso, acabam decidindo todos os passos da vítima. Ao longo do tempo, o disfarce vai caindo, mas com a alienação que ele faz, a vítima não consegue mais acreditar que tem forças para se livrar.

3- Ausência de privacidade

Este sinal também está ligado ao controle, já que ao tirar a privacidade da vítima ele pode controlar tudo: desde com quem a pessoa fala, o que ela vê, onde ela vai e, inclusive, o que ela diz.

4- Afastamento

O abusador tem que limitar o acesso da vítima a possíveis informações que a façam perceber que está vivendo uma relação abusiva e que tem apoio para se livrar dela, portanto a afasta da família e amigos, muitas vezes falando mal deles pra que ela mesma ache que foi escolha dela se afastar.

5- Chantagem

A chantagem é uma ferramenta de manipulação para que a vítima se sinta perdendo algo ou tenha medo, caso não faça exatamente o que o abusador quer. Muitas vezes, ela é sútil e nem tem cara de chantagem, mas aos poucos vai ganhando contornos de ameaça.

6- Destruição do amor próprio e da autoestima

Esse processo começa com críticas construtivas, como quem não quer nada e só quer o bem, mas aos poucos vai ficando mais forte e pesada, de forma que a pessoa se sinta insegura de tudo o que ela é e muitas vezes também de tudo o que ela faz.

7- Invalidação de sentimentos e pensamentos

Aqui, vemos um processo que é bem comum inclusive em relações de abuso parental (de pais abusivos com os seus filhos), onde a vítima tem tudo o que sente e pensa tratado como supérfluo, infantil, desnecessário ou exagerado e acaba sempre se sentindo mal por isso.

8- Controle financeiro e social

Para muitos casais, falar de dinheiro vira briga, então com o tempo acabam evitando o assunto e, assim, o abusador se aproveita para cometer também o abuso financeiro, o que colabora para a falta de condições da vítima de romper a situação de abuso.

9- Estupro

Sim. Em uma relação abusiva o estupro é algo comum, porque o abusador faz a vítima acreditar que é obrigada a ceder sexualmente quando ele quer, mesmo que ela não queira, ou seja, ele a submete a sexo à força e, muitas vezes, o faz inclusive com ela dormindo.

10- Ameaças a vítima e a família dela

Nesta fase, o abusador já sabe que dominou a vítima e passa a fazer ameaças para mantê-la refém da situação, ameaçando-a diretamente e também através de sua família, amigos e pessoas que ela ama, inclusive de morte.

11- Violência física

O que começa com apertões, beliscões e chacoalhões vai evoluindo gradualmente e ganha contornos cada vez mais violentos de surras, espancamentos e até mesmo culminando com a morte da vítima.


Se você vir que tem pelos 3 desses sinais na sua relação, procure conversar com alguém, peça ajuda.

O que fazer se eu estiver vivendo relacionamento abusivo?

Procure guardar provas dos abusos

Se for possível, procure guardar provas do abuso, como mensagens abusivas, fotos de hematomas etc, mas faça isso com cuidado para não se colocar mais em risco.

Procure alguém de confiança

Primeiro de tudo, procure alguém de extrema confiança sua e que, de preferência, não tenha qualquer ligação ou relação com o seu abusador.

Não faça postagens em grupos e páginas do Facebook, pois um print vazado pode piorar tudo.

Se você trabalha, estuda ou faz curso fora, tente falar com alguém desses espaços para pedir ajuda, mas se certifique de que a pessoa não fará nada sem o seu consentimento e aviso.

Procure formas de ir para longe quando decidir se separar

Para se livrar de um relacionamento abusivo não basta só se separar. É importante que a pessoa primeiro a pessoa resguarde a si e aos filhos e que possa ter para onde ir e como se manter, de preferência longe do abusador, em local que ele nem mais ninguém além de alguém de sua confiança saibam.

Ligue 180 – Disque denúncia

Faça a denúncia anônima dando o máximo de informações possíveis de localização e sobre o abusador, mas fale como se você fosse alguém que ouviu e viu.

Reforce a denúncia todos os dias e, se puder, peça pras pessoas da sua confiança que também denunciem.

Formalize denúncia na delegacia

Após estar segura e resguardada é hora de formalizar a denúncia na delegacia e pedir por medidas protetivas, com ocultação dos seus dados atuais para que nem mesmo os advogados tenham acesso ao seu novo endereço.

Para fazer isso, é recomendado que você procure auxílio jurídico da Casa do Advogado da sua cidade, que vai te designar um advogado bancado pelo estado para que você tenha orientação devida.

Saiba mais ouvindo a entrevista da mentora Roberta Calegari sobre relacionamentos tóxicos