No último dia 23 o INEP divulgou o resultado do IGC – Índice Geral de Cursos das Instituições de Ensino Superior do Brasil.

O IGC é um indicador de qualidade que avalia as instituições de educação superior. Seu cálculo é realizado anualmente e leva em conta os seguintes aspectos: média dos CPCs (conceito preliminar de cursos) do último triênio, relativos aos cursos avaliados, ponderada pelo número de matrículas em cada um dos cursos computados e utiliza a média dos conceitos de avaliação dos programas de pós-graduação stricto sensu atribuídos pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) na última avaliação trienal disponível (quando há cursos).

Como o IGC considera o CPC dos cursos avaliados no ano do cálculo e nos dois anos anteriores, sua divulgação refere-se sempre a um triênio, compreendendo todas as áreas avaliadas previstas no Ciclo Avaliativo do Enade.

As notas vão de 1 a 5, sendo: Notas 1 e 2 – Insatisfatórias; Nota 3 – Regulares/ Medianas; Nota 4 – Bom e Nota 5 – Ótima.

Diante dos dados apresentados pelo INEP (relativos ainda a 2019) a federação apresentou os seguintes resultados: Obtiveram Nota 1: 0,29%; Nota 2: 12,08%; Nota 3: 63,77%; Nota 4: 21,64% e Nota 5: apenas 2,22%.

Percebam que nem 25% das instituições do País possuem notas 4 e 5, e a grande maioria, 63% nota 3, mediana e limítrofe às notas mais baixas.

Todos os parâmetros que qualificam as instituições estão regulamentados pelo SINAES – Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Ele analisa as instituições, os cursos e o desempenho dos estudantes. O processo de avaliação leva em consideração aspectos como ensino, pesquisa, extensão, responsabilidade social, gestão da instituição e corpo docente.

Muitas instituições de ensino, não se preocupam, como deveriam, na busca e manutenção dos índices de qualidade. É um processo complexo e amplo, que muitas vezes exige inclusive ajuda externa. Por fim, creio que as IES devam urgentemente se posicionar na busca de melhorias, pois uma boa nota, é um diferencial real no mercado, e os alunos sempre tendem buscar intuições bem avaliadas.

Nunca é tarde para uma instituição começar a rever e implantar melhorias para a busca de melhores notas. Afinal por que ser apenas mediana?