Vereadores libertados não poderão reassumir os cargos. Câmara de Mogi das Cruzes aguarda notificação do Tribunal de Justiça sobre o futuro de Diego Martins, o Diegão, Mauro Araújo, Jean Lopes, pastor Carlos Evaristo e Antônio Lino. Mesmo em liberdade, os vereadores denunciados pelo Ministério Público por corrupção, organização criminosa e lavagem de dinheiro não poderão reassumir suas cadeiras na Câmara de Mogi das Cruzes. A soltura foi concedida mediante condição de que permaneçam afastados dos cargos. A presidência da Câmara aguarda notificação do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo sobre o futuro dos parlamentares beneficiados por habeas corpus junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ)