O Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu na noite de terça-feira (22/9) habeas corpus para o vereador Mauro Araújo (MDB), de Mogi das Cruzes, e para o empresário Pablo Bezerra. As prisões de ambos haviam sido decretadas no começo do mês em investigação do Ministério Público que apura corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. O vereador foi preso, mas o empresário Pablo Bezerra estava foragido. O empresário é filho do vereador Chico Bezerra (PSB), que também é investigado e cumpre prisão domiciliar.

View this post on Instagram

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu na noite de terça-feira (22/9) habeas corpus para o vereador Mauro Araújo (MDB), de Mogi das Cruzes, e para o empresário Pablo Bezerra. As prisões de ambos haviam sido decretadas no começo do mês em investigação do Ministério Público que apura corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. O vereador foi preso, mas o empresário Pablo Bezerra estava foragido. O empresário é filho do vereador Chico Bezerra (PSB), que também é investigado e cumpre prisão domiciliar. Entramos em contato com os advogados dos demais vereadores, ainda presos, para saber se terão habeas corpus concedidos pela Justiça, mas ainda não houve posicionamentos. A cobertura completa amanhã no Radar Noticioso. Segundo o MP, o vereador Mauro Araújo era o principal articulador do esquema. Além dele e de Chico Bezerra, foram presos ainda outros três vereadores: Pastor Carlos Evaristo da Silva (PSB), Diego de Amorim Martins (MDB) – o Diegão – e Jean Lopes (PL). Um sexto parlamentar, o Antônio Lino (PSD) segue foragido. Foram presos ainda na Operação Legis Easy André Alvim de Matos Silva, chefe de gabinete do vereador Diegão; o empresário e funcionário da Câmara Willian Casanova; o empresário e irmão de Mauro Araújo, Carlos Cesar Claudino de Araújo; o empresário Joel Leonel Zeferino e a empresária Carla Salvino Bento, que está em prisão domiciliar. Segundo o Ministério Público, o vereador Mauro Araújo era o principal articulador do esquema, que tinha como objetivo desviar dinheiro público e obtenção de vantagens indevidas, por meio do recebimento de propina para beneficiar empresas. Repasses investigados pelo MP ultrapassam R$ 1,2 milhão. Na semana passada, Joel Leonel Zeferino, um dos empresários presos na operação, já havia conseguido habeas corpus junto ao STJ. #marileischiavi #informacoes #noticias #jornalismo #mogidascruzes #altotiete #radiometropolitanaam1070

A post shared by Marilei Schiavi (@marileischiavi) on