Com a suspensão dos direitos políticos, Marcia Bin vai deixar a Prefeitura e a população se mobiliza para pressionar o vice-prefeito Geraldo de Oliveira para administrar a cidade priorizando a Saúde. Segundo o administrador do ReajaPoá, Adriano Nascimento, com a saída da prefeita a cidade vai continuar sob o comando do ex-prefeito da cidade Testinha, ex-prefeito e marido de Márcia Bin

Acompanhe a entrevista especial com o cidadão poaense e um dos administradores do ReajaPoá, Adriano Nascimento, que criticou vários políticos da cidade por causa das administrações desastrosas principalmente em relação à Saúde. Ele comentou sobre a suspensão dos direitos políticos da prefeita do município, Marcia Bin (PSDB), e que o seu marido, o ex-prefeito Francisco Pereira de Souza, o Testinha, vai continuar mandando na cidade com a posse do vice-prefeito Geraldo de Oliveira (Solidariedade). “O Testinha é um crânio e fez tudo de caso pensado porque sabia o que ia acontecer. Tanto é que colocou o seu braço direito como vice”, analisou.

Metalúrgico e árbitro de futebol, o morador Adriano Nascimento comentou sobre o cenário político da cidade. “Lá não tem oposição, então eles fazem o que querem”, criticou. Segundo Adriano Nascimento, o histórico dos últimos prefeitos e vereadores da Câmara vêm causando ‘ruínas’ para população que arca com os prejuízos da má utilização dos recursos públicos”, destacou.

Com muitas polêmicas em torno dos governos municipais, Adriano Nascimento criticou a falta de gestão do dinheiro público na cidade desde quando Poá recebia milhões de ISS do Banco Itaú. “Se os vereadores não fiscalizaram e faltou dinheiro no futuro a culpa não é da população. Não temos que pagar por isso”, apontou.

Adriano Nascimento também comentou sobre a questão dos mais de 100 servidores públicos demitidos durante a atual gestão. Desde o início do ano, os servidores públicos da cidade também sofreram sanções como a retirada do vale-alimentação, benefício legal adquirido. “A secretária de Saúde precisa ser trocada porque se não conseguiu administrar em 10 meses uma repartição pequena, 200 servidores da Saúde desgastados, não tem condições de administrar as pessoas. Servidores que trabalharam uma vida toda, 25, 30 anos e aproveitaram a visibilidade em cima da prefeita para mandarem embora durante a pandemia”, frisou.

Entre as discussões, o ativista político contou inclusive que diversos perfis fakes foram criados na rede para oprimir a movimentação e manifestações do ReajaPoá. “Muita gente posta através de perfil fake várias mensagens com ataques, mas eu não deixo barato. Eu pego os comentários e publicações e abro boletim de ocorrência. Já tem alguns em andamento, que logo logo eu vou saber quem foi que postou”, avisou.

Quer saber sobre os problemas da cidade de Poá e sobre a administração da prefeita Marcia Bin? Acompanhe a entrevista completa.