A crise da Covid-19 redefiniu os termos e as peças do jogo político no Brasil. Durante o ano passado, o confronto era entre o Poder Executivo e a liderança do Congresso Nacional, normalmente em função das pautas de segurança pública e das questões morais da agenda do presidente Jair Bolsonaro. Em fevereiro deste ano, o conflito progrediu para as atribuições orçamentárias do Congresso Nacional, situação na qual a Câmara ameaçou ampliar o poder sobre o gastos da União. Essa disputa culminou nos atos em favor do presidente, em 15 de março. Em meio às pressões por isolamento social, esse ato afastou o presidente da população inclinada a seguir as recomendações médicas. O professor de Ciências Políticas Luiz Domingos avalia que antes da pandemia, existiam poucas perspectivas de mudança no cenário político brasileiro, mas a partir da segunda quinzena de março às medidas tomadas pelos Governos Estaduais para restringir a circulação abriram nova frente de batalha.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Marilei Schiavi (@marileischiavi) em