Deputado federal destaca os assuntos do Alto Tietê e ainda comenta a polêmica da ligação grampeada do senador Jorge Kajuru com o presidente Jair Bolsonaro

Participação especial do deputado federal Marco Bertaiolli (PSD) comentando os principais destaques da região do Alto Tietê, que a partir de hoje retorna à fase vermelha. O deputado destaca a visita do governador do Estado de São Paulo, João Doria (PSDB), que escolheu a Escola Raul Brasil, em Suzano, para começar a vacinação dos educadores no sábado (10/04). Atendendo a participação de ouvintes e internautas, Bertaiolli também comenta sobre a preocupação do comércio durante a pandemia. Segundo ele, os pequenos comerciantes foram os que mais sofreram o impacto da migração para o virtual e ficaram sem suporte, os setores ruindo.

“Estamos trabalhando em dois projetos para amenizar o sofrimento da categoria. O primeiro é o projeto do Contribuinte Legal, que foi reeditado, para o parcelamento de dívidas sem juros e correções e todas as empresas com dívidas, sejam de grande ou pequeno porte, têm direito de recorrer para fazer um parcelamento vantajoso“, comentou o deputado. Ele também disse que estão suspendendo os empréstimos consignados que estão vinculados com as folhas de pagamento.

“Nós aprovamos uma legislação agora aprovando a suspensão de pagamento por quatro meses”, esclarece. Outro assunto da semana é o áudio gravado por Kajuru em que o presidente Jair Bolsonaro xinga e ameaça agredir o senador Randolfe Rodrigues. A ameaça foi feita durante conversa em que Bolsonaro pede a Kajuru inclusão de governadores e prefeitos na CPI da pandemia e abertura de processo de impeachment contra ministros do STF. O deputado federal comentou sobre mais essa crise institucional no meio da pandemia.

Bertaiolli também comentou sobre o balanço dos 100 dias de mandato dos prefeitos da região. “Um prefeito como o Ashiuchi que é reeleito já tem dificuldades imensas, está lá tentando ajudar sua população. Para um prefeito como é o caso do prefeito de Mogi das Cruzes, Caio Cunha, por mais bem intencionado que seja, ele chega em um momento de instabilidade para entender como funciona a máquina pública que é natural em todo início de governo. E ainda pega uma situação emergencial que é como essa da pandemia, deixa qualquer um maluco…”, destacou o deputado.