O ex-vereador Lisandro Frederico explicou sobre as polêmicas envolvendo o seu mandato e sua candidatura a prefeito de Suzano.

Ex-vereador de Suzano, Lisandro Frederico, é absolvido de processo após ser acusado de utilizar recursos públicos em uma ONG de proteção animal e passar por investigação pelo crime de falsidade ideológica, injúria e difamação. Ativista da causa animal, o ex-vereador e fundador da ONG ‘Projeto Adote Suzano’ (PAS) explicou a polêmica no Radar e também destacou o trabalho que vem realizando à frente do Instituto Lisandro.

Lisandro Frederico contou que durante o seu mandato como vereador em Suzano cumpriu o seu papel que é legislar e fiscalizar a administração municipal, mas enfatizou que quando o político é atuante cria problemas e desafetos. “Eu terminei meu mandato parlamentar com sete processos que respondo até hoje. Um deles foi arquivado recentemente e agora mais um na semana passada, e tem outro já em vias de ser arquivado também”, ressaltou.

O processo que foi arquivado na semana passada foi de uma advogada de Suzano que abriu inquérito contra o ex-vereador acusando ele de falsidade ideológica, injúria e difamação. Segundo o ex-vereador, ele foi acusado na Câmara Municipal de Suzano tendo quatro processos de tentativa de cassação do seu mandato que não tinham provas. “Chegou a abrir um processo dentro da Câmara para a cassação do meu mandato, mesmo não havendo provas, não havendo inquérito concluído e mesmo não tendo nenhuma conclusão sobre isso os vereadores começaram a caminhar para fazer a cassação do meu mandato”, apontou.

Lisandro Frederico disse que reagiu a essas acusações apontando diversas falhas que a advogada estava cometendo. Para se defender, ele fez alguns posts nas redes sociais e ela pediu juridicamente para que ele retirasse. Mas o juiz entendeu que ele estava no seu livre exercício de se defender das acusações. Foi após esse processo que a advogada abriu um inquérito policial por calúnia e difamação e dentro dessa peça ela falava diversas vezes de atos de falsidade ideológica que o político teria cometido. O juiz pediu o arquivamento do caso considerando extinção da punibilidade, que acontece quando a pessoa que denunciou não apresenta todos os documentos necessários em todas as fases do processo, para de fato incriminar a pessoa. “Eu sempre vinha apontando que esses processos eram criados por um constrangimento, para gerar noticia na imprensa”, afirmou.

Lisandro Frederico também contou sobre a sua vida na política e porque decidiu sair da Câmara Municipal e tentar se eleger para prefeito da cidade de Suzano. Além disso, fez críticas ao sistema eleitoral e avisou que não está filiado a nenhum partido atualmente. Ele está trabalhando com o deputado estadual Rodrigo Gambale (PSL) como assessor na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP). Mas adiantou que não deve ser candidato em 2022. Quer saber mais? Acompanhe a entrevista completa.