A pedido de comerciantes, a Associação Comercial de Mogi precisou intervir na sexta-feira (19/03), exigindo um parecer da Prefeitura sobre como funcionará a nova fase que começa hoje na cidade

Associação Comercial de Mogi das Cruzes (ACMC) pede detalhamento da fase crítica que começa hoje 22/03). Com muitos comerciantes com dúvidas sobre o que e como funcionam as novas regras, a presidente da ACMC, Fádua Sleiman, solicitou à Prefeitura que esclareça o decreto que foi anunciado na sexta-feira (19/03) e vai durar 10 dias, inicialmente, podendo ser ampliado caso não haja declínio no número de infectados no município. Acompanhe o destaque com a entrevista da diretora distrital de Brás Cubas da ACMC e proprietária da Imobiliária Couto, Dra. Fátima Couto.

A diretoria da ACMC esteve nos últimos dias em contato com a Prefeitura e continuará com o diálogo para buscar saídas para o comércio. “A Associação Comercial é solidária a todas as famílias que estão sendo afetadas pela Covid-19. Lamentamos que neste momento tenhamos que regredir, pois tínhamos conquistado alguns espaços para fazer o drive-thru. Muitos comerciantes, inclusive, os pequenos, contavam com este atendimento, que estará suspenso a partir de hoje”, observa Fádua Sleiman.

A diretora distrital explicou no Radar o problema enfrentado por grande parte da população. “Precisamos combater o vírus, mas também precisamos sair para trabalhar e por a comida na mesa”, comentou a Dra. Fátima Couto. Segundo ela, um dos mais prejudicados dentro do setor é o pequeno produtor agrícola que depende das vendas de plantio na região. “Mesmo localizados em área do cinturão verde, o município não presta assistência, eles só estão perdendo, jogando os produtos fora”, lamentou. Ela também ressalta que agora a Associação mapeia os mais afetados para elaboração de um plano que visa reduzir os danos no município. Acompanhe