Em época de pandemia, muito tem se falado, e até mesmo criticado, o uso das tecnologias na educação. Muito mais pelo fato do despreparo das instituições e até mesmo dos agentes envolvidos (gestores e docentes), do que pela tecnologia não ser relevante ou adequada ao processo.

Inúmeras ferramentas, sites e aplicativos – pagos ou não – estão à disposição para serem utilizados em prol da educação. Todavia, os aparatos tecnológicos não funcionam em sua aplicabilidade na plenitude, senão houver o amalgama das práticas de gestão e ensino. O gestor e o docente devem ser facilitadores, integradores do uso das tecnologias, demonstrando como elas podem agregar e enriquecer o processo de ensino-aprendizagem.

Vários benefícios podem ser identificados com o uso adequado e correto das tecnologias, tais como: torna as aulas mais cativantes e inovadoras, pois se amplia as

possibilidades, tornando o processo mais relevante e encorajador; contribui para a diminuição da evasão escolar pois as tecnologias podem auxiliar os alunos com facilidades ou dificuldades de aprendizagem, despertando ainda mais seu interesse; aprimora a qualidade da educação pois, proporciona novas metodologias e itinerários formativos para o ensino; e por fim, auxilia na evolução de desempenho e rendimento do aluno, pois extrapola a sala de aula para além do ambiente escolar.

As tecnologias estão aí, cabe a todos se capacitarem para sua melhor utilização