Sem auxílio emergencial, mulheres chefes de família sofrem com o desamparo social. A melhor saída é o empreendedorismo

Direitos da mulher: avanço ou retrocesso nas políticas públicas? Em meio à crise, o Brasil sofre com a queda da participação feminina no mercado de trabalho e o aumento nos índices de violência doméstica. Quem traz o destaque neste Mês da Mulher é a advogada e empreendedora, Jeruza Reis, que comenta sobre a importância da autonomia feminina na Política e nos Negócios.

Segundo a advogada, apesar da evolução nas leis, as medidas protetivas são insuficientes para dar todo o apoio e segurança à mulher. Ela ressalta que a oferta de serviços como creches e escolas afetam a produtividade e a rotina feminina. Jeruza Reis ainda alerta que “é preciso ouvir a voz da periferia que nesse momento grita ‘Estamos com fome’”. Inclusive, alcançar essas demandas deve ser uma prioridade com a ajuda do empreendedorismo citando a Mary Kay como uma das marcas de produtos ideal para conseguir ter uma fonte de renda. Com o aumento da informalidade e a falta de um auxílio governamental, brasileiros, e especialmente as mulheres tendem a se readaptar para gerar fontes de rendas em seus lares. Acompanhe