Segundo o secretário de Educação de Mogi, ainda não é obrigatória a volta de 100% dos alunos às salas de aula na cidade

EDUCAÇÃO: Desde a última segunda-feira (18/10), o Governo do Estado de São Paulo determinou a volta obrigatória das aulas presenciais em todas as unidades de ensino, das esferas estaduais, municipais e privadas. Em Mogi das Cruzes, o Gabinete de Articulação para o Enfrentamento da Pandemia na Educação (GAEPE), analisa com setores internos como estruturar as unidades para o cumprimento da determinação.
Casos de Covid-19 registrados em escolas estaduais de Mogi até o início do mês, e a reação do Sindicato dos Funcionários e Servidores da Educação de São Paulo (Afuse), contrários ao retorno obrigatório, têm deixado muitos pais e responsáveis preocupados. Inclusive no município, até o dia 5 deste mês, uma consulta pública sobre o retorno presencial estava disponível. Qual o resultado da consulta e há uma conclusão dentro da rede educacional mogiana? Acompanhe os destaques com o secretário de Educação de Mogi das Cruzes, André Stábile.

O secretário explicou que ainda não é obrigatória a volta de 100% dos alunos às salas de aula. “Nós pretendemos acompanhar porque isso é um processo complexo, são 211 escolas da rede municipal e elas não têm a mesma padronização, são muito heterogêneas e atendem comunidades muito diferentes, com perfis, idades diferentes e equipes também muito diferentes”, avaliou.

Segundo André Stábile, a a Secretaria de Educação está acompanhando diariamente a evolução do quadro da pandemia e a retomada gradual das atividades nas escolas. Ele comentou que acredita que a decisão que o Governo do Estado de São Paulo foi acertada de tornar novamente obrigatória a frequência dos estudantes nas escolas e disse que a tendência de Mogi é ir observando os efeitos, acompanhando os indicadores do que vai acontecer. “A gente precisa fazer um processo de consulta agora dos professores, de consulta com diretores e explicar para a sociedade que isso não foi revogado, que isso é um direito das crianças de terem acesso aos professores e as escolas. Nós vamos fazer isso de maneira dialogada e também avisando que no dia 3 de novembro provavelmente vai ser o dia em que o distanciamento vai ser suprimido, nós também em seguida devemos garantir que todas as crianças tenham acesso às escolas”, ressaltou.

O secretário disse que hoje a cidade está com 97% de todas as escolas com atividades presenciais e remotas e se organizando basicamente de duas formas: em um primeiro momento algumas estão fazendo alternância de grupos. Em uma semana a criança vai presencialmente de segunda a quinta-feira e na sexta fazem uma atividade remota, mas que na outra semana é o outro grupo que vai. “A gente ainda tem essa questão do distanciamento, em algumas escolas vimos que a situação do perfil e a situação da comunidade era um pouco mais vulnerável, lá esse rodízio está sendo feito em três grupos”, destacou.

Essa semana e a próxima a Secretaria vai observar os efeitos da política educacional no Estado e pretende implementar o mesmo modelo em Mogi das Cruzes. Acompanhe os destaques com o secretário de Educação de Mogi das Cruzes, André Stábile.